Script de execução do slideshow, pode ser visualizado normalmente.

Consultoria em Inclusão & Diversidade

Menu do usuário

Menu de acessiblidade

Blog da Desenvolver

Mudar e persistir!

Aqui e agora, amanhã é outro dia!

Nesse primeiro texto preferi não fazer uma apresentação, pra mim é difícil fazer isso, tomaria muito tempo e provavelmente não  ficaria bom. Depois vou contando algumas coisas sobre mim.

Então, não imaginei que seria tão complicado voltar a escrever, acho que é parecido a começar a correr, leva um tempo pra pegar ritmo. Primeiro a gente acha que os pulmões não vão dar conta, aí as pernas parecem que não acompanham e a própria vontade meio que pensa: precisa mesmo? O que tem de errado com o Netflix?

Fiz esse comparativo por parecer que tudo que iniciamos, ou mesmo voltamos a fazer depois de muito tempo, tem o custo da descomodidade (acho que a palavra não existe, mas como explica o que quero, tá valendo). As mudanças trazem o incômodo de sair do costume, de tirar o cérebro da zona de conforto. Engraçado, mas basicamente nosso cérebro é preguiçoso. Biologicamente queremos guardar energia e não desperdiçar, isso inclusive explica (em parte) o motivo de sermos tão agarrados as nossas visões de mundo, rotinas, amizades, enfim.

Não que seja ruim, aliás, nem tem como colocar isso em uma lógica de bom ou ruim, porque é só o nosso sistema de facilidades enquanto seres humanos. Mas por que então é tão simples planejar uma mudança? Na nossa cabeça já tá tudo organizado, certinho, é só chegar a segunda-feira. Pensa na virada do ano e todas aquelas promessas… “Vou falar mais com as pessoas que amo, comer melhor e partiu academia!” Quem nunca?

Nesse momento em que fazemos uma lista, acreditamos muito nela, na concretude de tudo que estamos sonhando. A explicação pra isso é que o planejar nos joga pro futuro, lugar onde tem como voar, chupar cana e assobiar ao mesmo tempo. Assim fica fácil dizer o tal “partiu academia”. No pensamento já tão feitas as 358 séries de todos os grupos musculares e mais aqueles 15 minutos de corrida, e sem segurar nas alças da esteira (quem já correu num esteira sabe do que tô falando). Mas e a prática, como fica?

Vai ter quem diga que basta fazer uma lista escrita, outros que é preciso mentalizar todos os dias, enviar pro cosmos, etc. Mas tudo isso d nada importa se não te jogar na prática, no fazer mesmo. É ler um argumento contrário ao que ese pensa com a humildade de tentar entender, é sair correndo, ou, no meu caso, pegar a caneta e escrever (ri alto quando escrevi isso usando o celular).

Achei o tema muito pertinente pra começar. E aproveito pra te convidar a fazer uma mudança, assim como desejo que persista!


Os comentários estão desativados.